Pós-operatório

ORIENTAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS ADENOIDECTOMIA:
essa é uma cirurgia feita através da boca, onde se remove a adenóide, dessa forma desobstruindo as vias respiratórias altas. Há um folclore em se dizer que há a necessidade de se “descolar a mandíbula” ou que se perderiam as defesas do organismo e as infecções ocorreriam em regiões mais baixas das vias respiratórias. Nada disso é verdade. Devem-se observar os seguintes cuidados:

  1. Dieta livre como a de rotina, sem excesso de calor.
  2. Repouso em casa.
  3. É comum ocorrer dor no ouvido.
  4. Febre baixa e isolada é comum no pós-operatório, se alta ou persistente, comunicar ao seu médico.
  5. O tom de voz pode mudar por deixar de ser anasalada.
  6. Pode ocorrer ronco ainda nos primeiros dias.
  7. Ligar para marcar retorno com seu médico.
  8. Em caso de necessidade entre em contato por telefone com seu médico.



ORIENTAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS ADENOAMIGDALECTOMIA:
essa é uma cirurgia feita através da boca, onde se removem as tonsilas palatinas (antigamente chamadas amígdalas) e adenóide. Há um folclore em se dizer que há a necessidade de se “descolar a mandíbula” ou que se perderiam as defesas do organismo e as infecções ocorreriam em regiões mais baixas das vias respiratórias. Nada disso é verdade. Devem-se observar os seguintes cuidados:

  1. Dieta líquida e fria por 4 dias, pastosa e fria após.
  2. Repouso em casa.
  3. É comum ocorrer dor no ouvido.
  4. Pode formar placas amarelas com cheiro forte no local da cirurgia.
  5. Febre baixa e isolada é comum no pós-operatório, se alta ou persistente, comunicar ao seu médico.
  6. O tom de voz pode mudar por deixar de ser anasalada.
  7. Pode ocorrer ronco ainda nos primeiros dias.
  8. A dor dificulta a alimentação, passará com os dias.
  9. Ligar para marcar retorno com seu médico.
  10. Em caso de necessidade entre em contato por telefone com seu médico.


ORIENTAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS ADENOIDECTOMIA COM MIRINGOTOMIA (APOSIÇÃO DE MICROTUBO):

essa é uma cirurgia feita através da boca, onde se remove a adenóide, além de fazer, através do conduto auditivo externo, uma pequena incisão na membrana timpânica para se aspirar secreção retida dentro do ouvido que esteja dificultando a audição do paciente, podendo haver a necessidade de se deixar um dreno (conhecido como microtubo) para se evitar novo acúmulo de secreção. O microtubo cai por conta própria geralmente após 6 a 8 meses da cirurgia. Há um folclore em se dizer que há a necessidade de se “descolar a mandíbula” ou que se perderiam as defesas do organismo e as infecções ocorreriam em regiões mais baixas das vias respiratórias. Nada disso é verdade. Devem-se observar os seguintes cuidados:

  1. Dieta livre como a de rotina, sem excesso de calor.
  2. Repouso em casa.
  3. É comum ocorrer dor no ouvido.
  4. Febre baixa e isolada é comum no pós-operatório, se alta ou persistente, comunicar ao seu médico.
  5. O tom de voz pode mudar por deixar de ser anasalada.
  6. Pode ocorrer ronco ainda nos primeiros dias.
  7. Não molhar os ouvidos, deve-se usar algodão levemente embebido em óleo para proteger os ouvidos durante os banhos e enquanto não cair os microtubos não se pode entrar em piscina, mar, rio ou equivalente.
  8. Ligar para marcar retorno com seu médico.
  9. Em caso de necessidade entre em contato por telefone com seu médico.


ORIENTAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS ADENOAMIGDALECTOMIA COM MIRINGOTOMIA (APOSIÇÃO DE MICROTUBO):

essa é uma cirurgia feita através da boca, onde se removem as tonsilas palatinas (antigamente chamadas amígdalas) e adenóide, além de fazer através do conduto auditivo externo uma pequena incisão na membrana timpânica para se aspirar secreção retida dentro do ouvido que esteja dificultando a audição do paciente, podendo haver a necessidade de deixar um dreno (conhecido como microtubo) para se evitar novo acúmulo de secreção. O microtubo cai por conta própria geralmente após 6 a 8 meses da cirurgia. Há um folclore em se dizer que há a necessidade de se “descolar a mandíbula” ou que se perderiam as defesas do organismo e as infecções ocorreriam em regiões mais baixas das vias respiratórias. Nada disso é verdade. Devem-se observar os seguintes cuidados:

  1. Dieta líqüida e fria por 4 dias, pastosa e fria após.
  2. Repouso em casa.
  3. É comum ocorrer dor no ouvido.
  4. Pode formar placas amarelas com cheiro forte no local da cirurgia.
  5. Febre baixa e isolada é comum no pós-operatório, se alta ou persistente, comunicar ao seu médico.
  6. O tom de voz pode mudar por deixar de ser anasalada.
  7. Pode ocorrer ronco ainda nos primeiros dias.
  8. A dor dificulta a alimentação, passará com os dias.
  9. Não molhar os ouvidos, deve-se usar algodão levemente embebido em óleo para proteger os ouvidos durante os banhos e enquanto não cair os microtubos não se pode entrar em piscina, mar, rio ou equivalente.
  10. Ligar para marcar retorno com seu médico.
  11. Em caso de necessidade entre em contato por telefone com seu médico.


ORIENTAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS PARA CIRURGIAS NASAIS EM GERAL (SEPTOPLASTIA, TURBINECTOMIA, POLIPECTOMIA NASAL, SINUSECTOMIA ENDONASAL, ETC):

Essas cirurgias são feitas através das narinas, não havendo necessidade de incisões externas visíveis. São usadas para se desobstruir o nariz, permitindo que o paciente respire melhor. A equipe do Instituto Brasileiro do Sono realiza essas cirurgias sem usar tampão nasal na maioria das vezes, dependendo de cada caso. Devem-se observar os seguintes cuidados:

  1. Dieta livre, evitando excesso de calor.
  2. Repouso em casa.
  3. Evitar roupas e lugares quentes em excesso.
  4. Febre baixa e isolada é comum no pós-operatório, se alta ou persistente, comunicar ao seu médico.
  5. Tossir ou espirrar só com a boca aberta.
  6. Não assoar o nariz.
  7. Trocar o curativo externo quando sujo.
  8. Ligar para marcar retorno com seu médico.
  9. Em caso de necessidade entre em contato por telefone com seu médico.


ORIENTAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS SINUSECTOMIA CALDWEL – LUCK:

Essa cirurgia é feita por baixo do lábio, sem se deixar cicatriz externa visível, com a finalidade de se acessar os seios paranasais maxilares em doenças que não podem ser removidas pela cirurgia feita por dentro do nariz de forma tradicional. Devem-se observar os seguintes cuidados:

  1. Dieta livre, evitando excesso de calor.
  2. Repouso em casa.
  3. Evitar roupas e lugares quentes em excesso.
  4. Tossir ou espirrar só com a boca aberta.
  5. Febre baixa e isolada é comum no pós-operatório, se alta ou persistente, comunicar ao seu médico.
  6. Não assoar o nariz.
  7. Trocar o curativo externo quando sujo.
  8. É comum eliminar secreção com pouco sangue pelo nariz ou pela incisão na boca, podendo o lábio ficar menos sensível transitoriamente.
  9. Ligar para marcar retorno com seu médico.
  10. Em caso de necessidade entre em contato por telefone com seu médico.


ORIENTAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS TIMPANOPLASTIA E MASTOIDECTOMIA:
Essa cirurgia serve para fechar a perfuração da membrana timpânica e ou remover tecido inflamatório da orelha média e cavidade mastóide, com o intuito de se evitar que o ouvido elimine secreção purulenta quando da reagudização das otites, muito comuns quando se tem infecções respiratórias ou se deixa entrar água no ouvido doente. Ela pode ser feita por dentro do conduto auditivo externo ou por trás da orelha. Devem-se observar os seguintes cuidados:

  1. Dieta livre.
  2. Repouso em casa.
  3. O ouvido operado fica entupido nas primeiras semanas.
  4. Não molhar o ouvido operado, usar algodão levemente embebido com óleo.
  5. Febre baixa e isolada é comum no pós-operatório, se alta ou persistente, comunicar ao seu médico.
  6. Dormir sobre o ouvido NÃO OPERADO.
  7. Tossir ou espirrar somente com a boca aberta.
  8. Pode ocorrer eliminação de secreção com esponjinhas pelo ouvido operado.
  9. Ligar para marcar retorno com seu médico.
  10. Em caso de necessidade entre em contato por telefone com seu médico.


ORIENTAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS UVULOPALATOFARINGOPLASTIA:

Essa cirurgia é feita para se tratar o ronco e a apnéia do sono, porém só deve ser realizada em casos muito bem selecionados, para se prevenir o risco da doença voltar alguns meses após a cirurgia. A cirurgia geralmente é precedida do exame do sono, a polissonografia. Ela é feita através da boca, e ao contrário de mito popular, não há a necessidade de se “descolar a mandíbula”. Muitas vezes é feita em conjunto com a cirurgia nasal para se desobstruir o nariz (septoplastia e turbinectomia). Devem-se observar os seguintes cuidados:

  1. Dieta líqüida e fria por 4 dias, pastosa e fria mais 3 dias.
  2. Repouso em casa.
  3. Evitar roupas e lugares quentes em excesso.
  4. Febre baixa e isolada é comum no pós-operatório, se alta ou persistente, comunicar ao seu médico.
  5. Tossir ou espirrar só com a boca aberta (se foi feita a cirurgia nasal em conjunto).
  6. Não assoar o nariz (se foi feita a cirurgia nasal em conjunto).
  7. É comum dor local com placas amarelas e dor nos ouvidos.
  8. Trocar o curativo externo quando sujo (se foi feita a cirurgia nasal em conjunto).
  9. Ligar para marcar retorno com seu médico.
  10. Em caso de necessidade entre em contato por telefone com seu médico.

Site Login